O que é Low-Code? Tudo que você precisa saber para iniciar seus estudos.

Low-code
Spread the love

O que é Low-Code? – As empresas prosperam apertando os ciclos de trabalho e impulsionando o valor. Enquanto isso, desenvolvedores e equipes experientes estão comprometidos com roteiros de projetos de longo prazo. Nesta intersecção está o surgimento de iniciativas, ferramentas e técnicas de desenvolvimento de software de low-code. 

Low-code é uma abordagem visual, altamente abstrata, em grande parte automatizada para o desenvolvimento de software que define tarefas desejadas em alto nível e, em seguida, depende de ferramentas para gerar grande parte da base de código subjacente. Desenvolvedores profissionais e funcionários da Linha de Negócios (LOB) entendem que os problemas de negócios podem usar conceitos e práticas de low-code para lidar com uma ampla gama de tarefas diárias de programação. Isso pode liberar equipes de desenvolvedores para se concentrar em projetos maiores e mais complexos. 

Como funciona o Low-code? 

O desenvolvimento convencional de software tem sido um esforço minucioso e detalhado. As instruções e dados são representados por várias linhas de códigos escritas por desenvolvedores. Eles organizam esse código em rotinas e módulos funcionais que fornecem os recursos e funcionalidades do software. 

Essa abordagem exige conhecimento detalhado de aspectos em todo o espectro de desenvolvimento de aplicativos: linguagens de desenvolvimento, ambientes de desenvolvimento, como ambientes e compiladores integrados de desenvolvimento, ferramentas de teste e implantação e as várias políticas e práticas usadas para abordar codificação, testes e implantação. 

Em comparação, a tecnologia de low-code abstrai e encapsula grande parte do conhecimento de programação necessário para criar software. Em vez de escrever linhas individuais de código, os usuários selecionam a partir de um menu de componentes funcionais reutilizáveis através de uma interface visual de arrastar e soltar. Eles organizam e organizam os componentes funcionais disponíveis para formar o fluxo de software pretendido, semelhante à criação de um fluxograma para abordar um problema ou tarefa de negócios. Os usuários podem facilmente adicionar, mover ou excluir componentes funcionais para construir o processo final. Nesse ponto, a ferramenta de low-code incorpora o código subjacente e tarefas de suporte, como testes e implantação. 

O principal benefício do desenvolvimento de low-code versus o desenvolvimento tradicional de aplicativos é a economia de custos e tempo, o que pode permitir que uma empresa entregue alguns produtos e recursos mais rapidamente e por menos dinheiro. Existem muitas razões pelas quais uma empresa deve continuar a usar modelos convencionais de desenvolvimento, especialmente para softwares corporativos complexos ou especializados. Muitos projetos exigem funções e operações, como desempenho otimizado, que não se encaixam facilmente em abordagens de low-code, e a quantidade de trabalho para criar e modificar códigos baixos para atender a esses requisitos não pode ser justificada. 

Low-code vs No-code 

Técnicas de low-code podem simplificar e acelerar muitas tarefas diárias de programação de negócios, mas o low-code não foi projetado nem pretende eliminar toda a codificação. Muitos projetos de low-code exigem alguma quantidade de conhecimento de programação, seja para modificar componentes funcionais existentes ou criar novos, e montar componentes de maneiras específicas que uma ferramenta de low-code pode não acomodar. 

Sistemas de low-code e no-code são fundamentalmente idênticos, mas há uma diferença fundamental: o não-código visa fornecer todos os recursos e funções pretendidos e eliminar a necessidade de adicionar ou modificar componentes, o que significa que os usuários não precisam de conhecimento sobre programação ou design de aplicativos. Sistemas sem código são tipicamente vistos como um subconjunto de plataformas de low-code. 

Princípios de desenvolvimento de Low-code 

O low-code incorpora muita automação, mas as plataformas e os processos de desenvolvimento não são automáticos. Os melhores resultados de projetos de low-code também dependem de princípios sólidos de negócios e tecnologia. 

Entenda a plataforma de Low-code. 

Plataformas de low-code não fazem o trabalho para você. Ainda é importante que todos os stakeholders, desde desenvolvedores a analistas de negócios até proprietários de projetos, participem da avaliação, seleção e uso da plataforma low-code. O tempo investido para aprender os recursos e recursos da plataforma pagará dividendos quando as partes interessadas puderem identificar aplicativos para códigos baixos em projetos futuros e potencialmente agregar mais valor à iniciativa. 

Evite personalização. 

A potência do low-code está em seus componentes predefinidos que são arrastados e descartados no fluxo de trabalho. Os componentes são tipicamente genéricos e se encaixam em muitos casos de uso diferentes, mas nem sempre abordam as necessidades de uma tarefa de programação em mãos. É possível modificar os componentes existentes e adicionar novos, como UI e elementos de design visual, mas tal personalização aumenta o tempo de desenvolvimento e o trabalho (e o custo), e pode reduzir a velocidade e a simplicidade que as tecnologias de low-code prometem. 

Generalize personalizações. 

Quando um aplicativo precisar de personalização, considere recursos do contexto de objetivos de uso de alto nível ou comum. Projete o componente personalizado para reutilização potencial em outros projetos. 

Presente para Geek

Não esqueça a equipe. 

A equipe que seleciona e usa uma plataforma de low-code deve entender os requisitos e metas de negócios para o projeto em questão, mesmo que esses requisitos possam ser mais simples em comparação com projetos de software tradicionais. Os proprietários de produtos e outras partes interessadas-chave devem estar disponíveis para responder a perguntas e revisar compilações em ambientes rápidos de low-code. 

Mantenha os negócios na liderança. 

O low-code facilita o iterado e o experimento com recursos e funções novos ou diferentes. Ainda assim, um plano de projeto e um roteiro podem ser valiosos para manter um desenvolvimento de low-code no caminho certo. O teste e a revisão são construídos cedo e frequentemente, e envolvem partes interessadas em negócios para quaisquer alterações nos requisitos e recursos. 

Mais organizações adotaram plataformas de low-code, dentro e em toda a TI central situada em unidades de negócios, para aproximar as inovações dos resultados de negócios desejados.  

Quais são os benefícios do desenvolvimento de Low-code? 

O desenvolvimento de códigos baixos oferece muitos benefícios para uma empresa: 

Velocidade de desenvolvimento acelerada. 

É um esforço significativo para escrever linhas individuais de código e mestre sintaxe complexa. O low-code permite que os praticantes montem ideias e fluxos de trabalho complexos como funções ou componentes embalados, dispostos em uma interface visual conveniente. Isso também pode acelerar atualizações futuras e iterações do projeto. 

Maior disponibilidade de pessoal. 

O talento de desenvolvedor qualificado é um prêmio na maioria das empresas. O low-code permite que programadores menos qualificados (ou mesmo não-programadores) participem do processo de desenvolvimento de software — eles possuem um conhecimento claro dos objetivos de negócios em mãos. Assim, quando há a necessidade de personalização, ou codificar manualmente, não se exige tanto o suporte de desenvolvedores profissionais.

Melhor eficiência. 

As empresas podem usar códigos baixos para criar ferramentas para departamentos individuais. Por exemplo, o RH pode querer uma ferramenta para ajudar a modelar ou prever salários e benefícios para tomar melhores decisões sobre a folha de pagamento. 

Inovação de menor custo. 

Da mesma forma, as empresas podem experimentar ideias que podem ser caras ou demoradas com o desenvolvimento tradicional — por exemplo, criando uma ferramenta para unidades de marketing analisarem os gastos de campanhas publicitárias versus resposta e determinar as maneiras mais eficientes de alcançar os clientes. 

Acomodação de projetos de nicho. 

O low-code pode acomodar aplicativos estreitos e pequenas bases de usuários de forma rápida e econômica. Por exemplo, uma empresa pode não ter orçamento para o desenvolvimento de uma ferramenta usada apenas em um departamento de finanças, mas o low-code pode fornecer uma opção atraente. 

Gestão para desempenho, governança e compliance. 

Plataformas de low-code normalmente rastreiam e gerenciam o projeto de software e seus elementos associados. Isso torna mais fácil para a empresa manter o controle sobre o desenvolvimento e definir diretrizes que ajudam a garantir a governança e a conformidade dos negócios.

Plataformas de low-code, também fornecem ferramentas, como por exemplo, análise e relatórios que ajudam na compreensão de detalhes importantes sobre o desempenho e na utilização de um projeto, orientando as equipes nas atualizações e solucionando problemas.

 

Transformação digital de low-code e empresa 

Hoje, toda empresa precisa de uma estratégia digital, um projeto que descreve como aplicar tecnologias e serviços digitais para apoiar metas de negócios, criar ou viabilizar novas metas, melhorar o desempenho dos negócios ou recriar processos de negócios — muitas vezes de maneiras impraticáveis ou impossíveis sem tecnologias digitais. Uma estratégia digital abrangente pode mudar fundamentalmente políticas, prioridades, investimentos e metas de longo prazo em uma empresa. 

O low-code se alinha às estratégias de transformação digital porque muitos desses esforços envolvem projetos de desenvolvimento de software que o low-code pode acomodar ou até mesmo acelerar. Exemplos incluem portais de usuários, aplicativos móveis e ferramentas de negócios. 

Uma dessas áreas é a gestão de processos de negócios (BPM), que geralmente envolve processos manuais de negócios baseados em papel, análises e aprovações gerenciais demoradas. As empresas adotam métodos de BPM, como uma plataforma de BPM, para ajudar a organizar e analisar dados de negócios, avaliar orçamentos, agilizar aprovações e muito mais. O low-code e o BPM se complementam — as funções do BPM podem ser adicionadas como iniciativas de low-code, e algumas ferramentas de BPM oferecem abstrações de low-code ao digitalizar processos de negócios. 

É claro que o low-code é apenas parte de uma estratégia de transformação digital. Também requer forte colaboração entre equipes de líderes empresariais e de tecnologia para entender o negócio, identificar produtos digitais e oportunidades que melhor se adequam às necessidades da organização e avaliar e introduzir diversas tecnologias. 

Quais são os desafios do desenvolvimento de Low-code? 

Embora abordagens e ferramentas de low-code façam argumentos convincentes para o uso corporativo, o low-code também apresenta algumas desvantagens significativas: 

Conhecimento além das ferramentas. 

O low-code não é uma maneira de patinar em torno de equipes qualificadas e uma infraestrutura bem projetada — aplicativos construídos com código confiável exigem conhecimento do desenvolvimento de software corporativo e práticas de negócios. As empresas que pedem aos indivíduos que não têm conhecimento de programação para assumir tarefas de programação em nível corporativo podem realmente gastar mais para corrigir códigos ruins do que se tivessem criado um bom código desde o início. 

Código ineficiente e não otimizado. 

Quando o código é abstraído em componentes genéricos e reutilizáveis, ele pode criar código subjacente que é inchado e excessivo para a tarefa real em questão. É fácil perder muitas das otimizações potenciais que poderiam reduzir o tamanho do software e melhorar o desempenho. Qualidade, código escrito à mão pode resolver tais problemas de codificação com eficiência e até elegância. 

Complexidade sob o capô. 

A promessa de simplicidade de low-code é verdadeira quando o código resultante funciona como esperado. E se não funcionar ou tiver um desempenho ruim? O aplicativo é seguro e consistente com a estratégia de conformidade da organização? Alguém dentro da organização deve possuir um conhecimento abrangente do que está acontecendo sob o capô da plataforma de low-code para entender o baixo desempenho, erros de endereço ou impor a segurança do software e outros padrões de codificação. 

binary, code, globe-1695478.jpg

As empresas podem usar códigos baixos em várias maneiras de melhorar o desenvolvimento e a entrega de aplicativos, mas existem alguns benefícios específicos do setor de usar códigos baixos também.  

Casos de uso limitado. 

Plataformas de low-code efetivamente resolvem alguns problemas de programação de negócios, mas não todos. Ele pode tropeçar em muitas tarefas complexas, ou exigir tanta personalização e integração que abordagens convencionais de desenvolvimento de software e conjuntos de ferramentas são a melhor escolha. 

Potencial de bloqueio de fornecedor. 

Quando uma equipe usa uma ferramenta de low-code para criar um aplicativo, a ferramenta pode produzir códigos mal documentados e difíceis de manter fora da ferramenta. Avalie a capacidade de uma ferramenta de low-code de exportar, acessar e editar códigos usando outros editores e ferramentas de desenvolvimento de software. 

Quais são os casos de uso de Low-code? 

A partir da união da TI com o setor comercial de uma empresa terem identificado e alinhado todas as metas de negócios com exigências específicas de TI, os projetos de low-code podem criar uma série de oportunidades. Aplicativos comuns de low-code incluem o seguinte: 

Portais web com Low-code. 

Portais são meios comuns e populares para os clientes interagirem com empresas, encontrarem serviços ou produtos, obterem cotações, verificarem a disponibilidade de recursos, agendar trabalho ou fazer pedidos e fazerem pagamentos. O low-code pode ajudar a criar rapidamente uma matriz de portais com extremidades frontais comuns ou interfaces de usuário, em vez de codificar manualmente componentes HTML e back-end. 

Sistemas de linha de negócios.

 As empresas dependem de sistemas e aplicativos LOB para realizar tarefas cotidianas. Por exemplo, uma empresa de empréstimos hipotecários adota um sistema para organizar documentos hipotecários e papelada, integrar avaliações e realizar cheques de crédito e análises financeiras de mutuários. As empresas geralmente compram tal plataforma de um fornecedor ou a constroem internamente usando processos tradicionais de codificação. O low-code traz uma terceira opção para ajudar as empresas a construir e adicionar aplicativos adaptativos e escaláveis, e até mesmo migrá-los para implantações únicas ou multi-nuvem. 

Processos de negócios digitalizados. 

Os processos tradicionais de negócios baseados em papel ou planilha são demorados e propensos a erros. As empresas podem usar códigos baixos para criar aplicativos que reúnem informações necessárias, passam as informações e solicitações através do processo de aprovação da empresa, entregam resultados aos solicitantes e se integram a sistemas de negócios convencionais, como o ERP. Por exemplo, o low-code pode ser usado para agilizar um aplicativo de solicitação de capital. 

Aplicativos móveis com Low-code. 

Com o low-code, qualquer empresa pode construir seu próprio aplicativo, aumentando a interação comercial com seus clientes. Por exemplo, o aplicativo móvel de uma seguradora permite que os clientes arquivem reclamações e carreguem a documentação de um incidente, como fotos de colisão, de seus smartphones. As plataformas de low-code hoje em dia, já podem montar aplicativos em sistemas Android e iOS no mesmo projeto. 

Aplicações de micros serviços. 

Os aplicativos podem ser criados através de uma arquitetura de micro serviços dotados de uma série de componentes independentes  que se comunicam através de APIs em uma rede. Os componentes podem ser desenvolvidos, implantados e mantidos de forma independente, o que permite o desenvolvimento mais rápido e atualizações mais fáceis com menos testes de regressão do que as aplicações monolíticas convencionais. O low-code é uma plataforma viável para componentes baseados em micro serviços, para criar e reimaginar rapidamente aplicativos principais para maior desempenho e estabilidade, e para ajudar a traduzir o código legado tradicional em aplicativos modernos e ágeis de micros serviços. 

Aplicativos baseados em IoT. 

As empresas lidam com maneiras de obter dados de negócios significativos dos volumes de sensores e dispositivos do mundo real que compõem a Internet das Coisas (IoT), e monetizar os dados ou serviços resultantes. As empresas podem usar códigos baixos para criar aplicativos e funções que integrem pontos finais de IoT e coletem dados, enviem dados de IoT através de infraestruturas de computação back-end e forneçam solicitações de dados resultantes para clientes internos ou externos.

Por exemplo, uma aplicação de horticultura em low-code, pode usar sensores de umidade e temperatura – combinados com dados sobre ciclos e condições de crescimento – para controlar automaticamente a iluminação interna e a irrigação para culturas cultivadas. 

Fornecedores e softwares de Low-code 

O mercado de ferramentas e plataformas de low-code continua a amadurecer e evoluir. Muitos fornecedores combinam funções de low-code e sem código em uma ferramenta ou plataforma. As empresas podem escolher entre vários produtos e plataformas de low-code nativos da nuvem e de terceiros para usos que variam de sites simples e aplicativos móveis ao desenvolvimento de aplicativos de classe corporativa. Uma lista incompleta de ofertas atuais é a seguinte: 

  • AppGyver
  • Appian low-code platform
  • AWS Honeycode
  • Google AppSheet
  • Landen 2.0
  • Looker 7 business intelligence
  • Mendix low-code platform
  • Microsoft PowerApps
  • OutSystems application platform
  • Rintagi
  • Salesforce Lightning
  • ServiceNow
  • Sisense business intelligence
  • Skyve platform
  • VisionX
  • Wix Editor X
  • Yellowfin 9 business intelligence
  • Zoho Creator

Uma tendência recente é o surgimento de grandes fornecedores corporativos e de nuvem – notavelmente Amazon, Microsoft e Google – para competir com fornecedores mais tradicionais de low-code, como OutSystems, Mendix, Appian e outros. Esses grandes fornecedores fizeram investimentos significativos para fornecer aos clientes integrações mais profundas em sistemas corporativos de longa data, bem como pilhas de plataformas em nuvem. 

As empresas devem avaliar os recursos específicos de uma plataforma de low-code e prestar especial atenção à forma como a plataforma de low-code lida com os componentes. Por exemplo, os modelos e componentes embalados da ferramenta de low-code devem mapear de perto os blocos de construção de alto nível e metodologias funcionais que a empresa já usa, o que reduzirá a necessidade de alterações e novos componentes personalizados. Uma ferramenta de low-code pode oferecer um forte suporte à API e integrar-se com projetos de código tradicionais — mas se a ferramenta não se encaixar no modelo de uso, o trabalho de personalização anulará os benefícios. 

Uma empresa que determina que deve desenvolver novos componentes deve avaliar a facilidade e eficiência com que o mecanismo de personalização cria novos blocos visuais ou código personalizado. Muitas vezes é melhor criar um novo componente do que alterar um já que os desenvolvedores podem garantir um código ideal e seguro para propósitos ou projetos específicos. 

 

O futuro do mercado de plataformas de Low-code e No-code

O futuro para o desenvolvimento e plataformas de low-code se baseará em grande parte nas tendências e comportamentos que moldaram 2020 devido à pandemia global COVID-19, que colocou uma tremenda pressão nos orçamentos de desenvolvimento, disponibilidade de pessoal e dinâmica da equipe. Muitas empresas têm lutado para desenvolver aplicativos, portais, formulários web e fluxos de trabalho automatizados porque os funcionários agora estão remotos e menos disponíveis. 

O Gartner previu que a maioria do desenvolvimento de aplicativos será de low-code nos próximos anos, principalmente para projetos de menor escala.  

O low-code ajuda as empresas a preencher essa lacuna e criar aplicativos para fins comerciais específicos com uma gama mais ampla de TI e participação nos negócios. O low-code e o no-code representaram menos de 25% de todo o desenvolvimento de aplicativos em 2020, mas responderão por 75% dele até 2025, de acordo com a empresa de analistas Gartner. Durante esse mesmo período, o Gartner projetou que as receitas anuais para plataformas de low-code e sem código aumentarão de pouco mais de US$ 9 bilhões para quase US$ 30 bilhões. 

À medida que as plataformas de low-code evoluem com mais velocidade e automação, a necessidade de garantir padrões adequados de codificação e gerenciar defeitos (testes e correções de bugs) irá impulsionar recursos adicionais de teste e empurrar a automação de testes mais profundamente para o pipeline CI/CD. 

Em última análise, a comunidade de desenvolvedores deve abraçar a realidade de estratégias de negócios de low-code e low-code. Os desenvolvedores devem aprender plataformas de low-code e trabalhar mais de perto com os profissionais de low-code para estender e personalizar componentes de low-code. Isso requer melhores habilidades de comunicação e colaboração, e a capacidade de interagir com o pessoal de negócios e até mesmo com “desenvolvedores cidadãos” para construir futuros aplicativos corporativos. 

Lisandro Viana


Spread the love
Presente para Geek

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *