O que é No-code? tudo que você precisa saber antes de mergulhar nos estudos.

no-code
Spread the love

No-code é uma abordagem de desenvolvimento de software que requer poucas, e se houver, habilidades de programação para construir rapidamente um aplicativo.

Isso permite que os funcionários da Linha de Negócios (LOB – Line of Business) que tenham o conhecimento institucional necessário e entendam os requisitos de negócios para um aplicativo, mas não tenham conhecimento de linguagens de programação, criem aplicativos de software, como um formulário ou site, ou adicionem funcionalidade a um site ou aplicativo existente. 

O código descarta as linguagens de programação e a sintaxe da lógica e, em vez disso, adote uma abordagem visual para o desenvolvimento de software para permitir a entrega rápida. Nesse sentido, o No-code é semelhante ao desenvolvimento de low-code. A principal diferença é que as plataformas de Low-code usam menos abstração – ou seja, elas incorporam alguma codificação e requerem algum conhecimento de linguagens de programação – e são frequentemente usadas por desenvolvedores profissionais dentro de um departamento de TI corporativo. 

Como funciona o código no-code? 

woman, face, connection-3509149.jpg

O No-code, em certo sentido, é um equívoco: há muita codificação envolvida, mas é nos bastidores, invisível para os usuários de negócios. O levantamento pesado é feito pelos provedores de ferramentas sem código que usam a abstração e o encapsulamento de dados para essencialmente ocultar a complexidade do que os usuários realizam através de manobras simples, como arrastar e soltar componentes do aplicativo, para construir um aplicativo. 

Como o desenvolvimento de low-code, o no-code usa um ambiente de desenvolvimento integrado visual, um conjunto de software que consolida ferramentas básicas necessárias para escrever e testar software. Muitas vezes eles usam uma abordagem de desenvolvimento orientada a modelos, que usa um modelo de software para mapear como o sistema de software deve funcionar antes que a codificação real comece. Uma vez que o software é criado, ele pode ser testado usando testes baseados em modelos (MBT) e, em seguida, implantado. 

Qual é a diferença entre Low-code e No-code? 

As duas principais diferenças entre Low-code e No-code – ou seja, funcionalidade e facilidade de uso – são mais bem consideradas em um espectro. Algumas plataformas sem código não exigem absolutamente nenhuma codificação ou conhecimento fundamental sobre design e funcionalidade de aplicativos. Muitos outros, no entanto, permitem que os chamados desenvolvedores cidadãos ou não-programadores adicionem algum código personalizado para realizar tarefas relativamente simples e discretas, como adicionar barras de rolagem, botões de navegação ou cores personalizadas às páginas da Web. Mesmo assim, essas linhas de código são frequentemente encontradas em trechos de código pré-embalados prontamente disponíveis que podem ser adicionados rapidamente. 

Blocos de software sem código são mais fáceis de manobrar para não-programadores, mas podem ser difíceis de adicionar tarefas mais complexas. Em comparação, profissionais de TI com algumas habilidades de programação poderiam usar software de Low-code para adicionar essas funções discretas. Plataformas de Low-code também oferecem melhor integração com aplicativos legados e maior desenvolvimento de aplicativos, testes e extensibilidade. 

Plataformas de Low-code e sem código decorrem de iniciativas anteriores de desenvolvimento rápido de aplicativos, que normalmente alavancavam linguagens de programação orientadas a objetos, como C++ e Java. 

Quais são os benefícios e desvantagens do No-code? 

Benefícios sem código enfatizam a simplicidade e a facilidade de uso para não-programadores 

  • Pouco ou nenhum treinamento. As interfaces do usuário são simples — para criar um aplicativo que você arrasta e solta, ou camada, componentes do aplicativo. Os usuários podem precisar de algum treinamento básico, mas nada que exija codificação. 
  • Menor custo. Permitir que não-programadores lidem com a adição de funcionalidades básicas libera a equipe de TI para enfrentar tarefas mais complicadas ou projetos que tenham mais valor para o negócio. Essa troca economiza tempo e, em última análise, dinheiro, para a organização. 
  • Lutando contra a TI sombra. Os usuários de LOB pegam o que precisam de opções predefinidas. Isso significa que eles são menos propensos a baixar e usar ferramentas não autorizadas e sem suporte, que causam dores de cabeça para os departamentos de TI rastrearem — e potencialmente introduzir vulnerabilidades de segurança a uma organização. 

Uma captura de tela de março de 2020 da ferramenta de banco de dados TigerGraph 3.0. Os usuários podem concluir uma consulta visual sem código arrastando e soltando conjuntos de dados.  

no-code

O código no-code também tem desvantagens, que incluem: 

  • Integração de aplicativos. Dependendo do espectro de código/No-code acima mencionado, pode ser difícil extrair dados de outros aplicativos existentes. Alguns programas ostensivamente sem código realmente fornecem ferramentas para integração. Mesmo estes, no entanto, requerem alguma programação básica. 
  • Usabilidade limitada. A compensação pela simplicidade e facilidade de uso é que o No-code normalmente não se estende para suportar recursos complexos. Alguns fornecedores sem código adicionam “hatches de fuga” e outros recursos para permitir que usuários tecnicamente experientes façam alguma codificação para criar aplicativos de negócios mais variados e críticos. Por exemplo, o Betty Blocks oferece aos usuários uma visão dividida: desenvolvedores cidadãos acessam módulos de arrastar e soltar no lado esquerdo da tela, e os codificadores clicam no lado direito da tela para digitar código de programação e acessar opções mais extensas. 

O que você pode construir No-code? 

O código não normalmente é usado para gerar aplicativos simples para uma função específica ou adicionar recursos menores para um simples aplicativo ou site. Exemplos incluem: 

  • Aplicativos de back-office, como processamento de faturas e monitoramento de KPI; 
  • Aplicações web, como compras online e reservas de restaurantes; 
  • Aplicativos móveis que permitem aos trabalhadores acessar aplicativos back-office do campo; 
  • Gerenciamento do fluxo de trabalho, como a definição de contratos internos de nível de serviço para que os funcionários reconheçam a conclusão de uma tarefa; 
  • Funções de automação de processos de negócios, como aprovação de documentos de várias partes; 
  • Funções de recursos humanos, como aspectos de autoatendimento dos sistemas de gestão de RH 

Ferramentas e fornecedores No-code 

Centenas de fornecedores oferecem plataformas no-code. Centenas mais oferecem ferramentas para serem usadas com essas plataformas. Algumas plataformas de Low-code oferecem recursos de Low-code e sem código. Exemplos de fornecedores de plataforma sem código incluem: 

  • Appian
  • AppSheet
  • Appy Pie
  • Betty Blocks
  • Bubble
  • Kissflow
  • Nintex
  • Quickbase
  • Outgrow
  • Zudy Vinyl

Exemplos de ferramentas de terceiros no-code incluem: 

  • Carrd
  • Glide
  • Gumroad
  • Memberstack
  • Notion
  • Payhere
  • Shopify
  • Stripe
  • Voiceflow
  • Zapier

Qual é o futuro do desenvolvimento No-code? 

No momento desta publicação, o futuro para o desenvolvimento no-code é brilhante porque a demanda dos profissionais da LOB supera a capacidade dos departamentos de TI de desenvolver e manter aplicações. A pandemia COVID-19 agravou ainda mais essa lacuna à medida que as mesas de ajuda de TI se esforçam para suportar forças de trabalho remotas. O Gartner prevê que 65% de todo o desenvolvimento de aplicativos será feito com Low-code até 2024 — e que os desenvolvedores cidadãos superam os desenvolvedores corporativos em pelo menos quatro vezes até 2023. 

No entanto, o tamanho exato e a trajetória de aplicações estritamente sem código permanece obscura, porque a delineação do mercado entre Low-code e sem código permanece fluida. Muitas plataformas de Low-code oferecem recursos sem código, enquanto alguns fornecedores sem código oferecem opções para os usuários personalizarem um aplicativo com JavaScript ou outras linguagens de programação. Além disso, empresas de analistas como Gartner e Forrester desenham linhas suaves entre categorias sem código e códigos baixos. Por exemplo, o Gartner projeta um mercado de US$ 13,8 bilhões para aplicações de Low-code em 2021, um crescimento de quase 23% a partir de 2020 — mas essa categorização de mercado abrange muitas áreas: Low-code, sem código, desenvolvimento de cidadãos, automação robótica de processos (RPA) e outras áreas relacionadas. 

Lisandro Viana


Spread the love
Presente para Geek

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *